Luis Visca

Nome verdadeiro: Visca, Luis Nicolás
Pianista y compositor
(19 junho 1903 - 22 junho 1968)
Local de nascimento:
Buenos Aires Argentina
Por
Orlando del Greco

uis Visca
Nombre real: Visca, Luis Nicolás
Pianista y compositor
(19 junio 1903 - 22 junio 1968)
Lugar de nacimiento:
Buenos Aires Argentina


Sua popularidade começa no ano de 1926, quando integra a liderança da orquestra D'Arienzo-Visca-Mazzeo e logo após, a D'Arienzo-Visca. Mais tarde foi pianista de Anselmo Aieta e outras orquestras típicas, com as quais se apresentou no famoso cabaré Chantecler, nos cinemas Hindú, Los Andes, etc. Foi ao Brasil como pianista de Antonio Arcieri.

Em 1927 compôs sua primeira música, o tango “Mi perdón”, que gravou Ignacio Corsini; “Compadrón” e “Muñeca brava”, que foram seus grandes sucessos. Continuou com: “Fanfarrón”, gravado por Rosita Quiroga, “No la contés grande” gravado por Charlo, “Pobre gata”, “Yo también”, “Maldonado”, “Tu imagen” (valsa), “No me lo digas”, “Dos palabras por favor”, “Barajando recuerdos”, são criações que tiveram repercussão no público, e forma criadas em parceria com Luis Rubistein, José Rial, Enrique Cadícamo.

Os amantes do verdadeiro tango ainda lembram suas apresentações como pela Rádio El Mundo e outras emissoras.

É interessante reproduzir o que declarou para esta obra, antes de falecer: «Lamento muito que Gardel apenas tenha gravado dois tangos meus, mas, mesmo assim, me sinto enormemente satisfeito de que eternize no tempo “Compadrón” e “Muñeca brava”. O primeiro foi publicado em 1927, e estreado pela orquestra Aieta (eu era seu pianista) no Bar Germinal e, mais tarde, cantado por Sofía Bozán no Teatro Sarmiento.

«Gardel incorporou-o em seu repertório na cidade de Rosario, já que estava se apresentando por lá quando “Compadrón” começou a se tornar um sucesso. Devido ao pedido do público rosarino, Carlos teve que pedir com urgência lhe remetessem um exemplar dsde Buenos Aires para poder cantá-lo; é claro que sua estreia do tango foi um sucesso categórico.

«Parecido foi o caso da orquestra de Francisco Lomuto, que assim como Gardel, se encontrava por essa mesma época em Rosario e também teve que interpretá-lo por primeira vez lá.

«As duas situações me foram referidas por Carlitos e por Pancho Lomuto, muito tempo depois, pois no momento em que aconteceram, eles não me conheciam. Eu era muito jovem e eles eram já, duas figuras consagradas. Ao ouvir dos próprios lábios de duas figuras de tanta importância no âmbito popular, na historia do tango, sobre o meu primeiro sucesso, tive uma enorme alegria.

«Mais tarde apareceu “Muñeca brava”. Este tango foi apresentado no concurso 1928 que patrocinava a Casa Max Glücksmann num cinema da Rua Corrientes, o Palace Theatre. Conseguiu o 6º e último lugar dos premiados sem letra; passado certo tempo conversei com Enrique Cadícamo, com quem éramos grandes amigos, e resolvemos adicionar-lhe letra. Levamos a obra a Gardel, quem pouco tempo depois partia para a França. Por esse motivo não pôde gravá-lo em Buenos Aires e sim na França, desde onde foi enviada a matriz do disco para ser impresso ali.

«Em 1928 fiz uma viagem à Europa junto com Cadícamo, depois de atingir o sucesso com “Compadrón” e com o produto de algumas emissões das tantas que foram vendidas de discos. Era o mês de outubro; pensávamos ficar no máximo dois meses, mas chegando a Barcelona a bordo do Conte Verde e ainda no porto, enquanto eram feitos os trâmites da alfândega, fui contratado para estrear três dias depois num teatro com una orquestra argentina que liderava uma figura de muito arraigo e popularidade em toda a Espanha: Pancho Spaventa. Eu dirigia a orquestra, conseguimos muito sucesso, e percorremos grandes e pequenas cidades espanholas, para continuar na França em cidades como Paris, Cannes e Monte Carlo. Voltamos para Espanha onde, tempo depois, a orquestra foi dissolvida.

«Em Cannes, nos apresentavamos num luxuoso hotel na seção da tarde, ao mesmo tempo em que Gardel se apresentava no famoso Casino. Também tive a sorte de voltar a encontrá-lo em Barcelona quanto voltavamos, pouco tempo antes, a Buenos Aires».

Visca nasceu em Buenos Aires (bairro de Once), em 19 de junho de 1903 e morreu na mesma cidade, em 22 de junho de 1968.