Américo Podestá

Nome verdadeiro: Podestá, Américo
Violinista, cantor, director y compositor
(2 agosto 1919 - 24 fevereiro 1995)
Local de nascimento:
Buenos Aires Argentina
Por
Ricardo García Blaya

asceu no bairro de Barracas da cidade de Buenos Aires. No final do ano de 1940, participou do quarteto de Juan Cambareri, mas não como violinista e sim como cantor. O grupo estava integrado por Cambareri (bandônio), José Fernández (violino), Fernando Porcelli (contrabaixo) e Juan Rizzo (piano). Participaram do programa de maior audiência da Argentina e de vários países limítrofes, o programa de Jabón Federal, que era transmitido às quintas-feiras às 21 horas e aos domingos de 12:30 a 14 horas.

Também cantou na orquestra de Pedro Maffia e gravou com Roberto Grela o tango “Las cuarenta”, segundo o informado por seu filho Norberto.

Comentava Alberto Príncipe que quando Julio Martel abandonou a orquestra de Alfredo De Angelis, depois do carnaval no Club Gimnasia y Esgrima La Plata, em 1951, viajou a Montevidéu contratado por vários locais tangueiros. Ali teve a chance de gravar, com a orquestra típica Puglia-Pedroza para os Discos Sondor N° 5227, o tango “Nacional [b]”, dedicado ao clube uruguaio de futebol. Voltou a Buenos Aires, sendo convidado por Oscar Castagniaro -recém afastado da orquestra de Osvaldo Pugliese-, para participar do seu grupo como cantor solista. A estreia foi no Café La Armonía e fizeram apresentações pela Rádio Belgrano.

Em 1956, Martel decidiu montar a sua própria orquestra e convocou para dirigi-la a Américo Podestá, que além de violinista era bom violonista e, como já dissemos, cantor. Estrearam na LR3 Rádio Belgrano, na qual diretor e cantor permaneceram por vários meses atuando também em locais de dança e clubes. A seguir partiram para o Chile e depois para a Colômbia onde ficaram por vários anos.

Em discos Odeon registraram quatro músicas: “Pobre colombina”, “Lechuza”, “Por qué no has venido” e “Fueron tres años”. Foi uma orquestra de destacados valores, nela estavam: Roberto Casal (piano), Carlos Tavarozzi (contrabaixo), Enrique Méndez, Américo Figola, Fernando Tell (bandônios), Podestá, Aquiles Aguilar, Carmelo Cavallaro, Nito Farace, Alberto Luongo (violinos).

Ambos, Julio Martel e Américo Podestá, mantiveram desde rapazes, uma profunda amizade consolidada no Golfe Clube Boulogne, onde praticavam esse esporte.

Faleceu tragicamente, num acidente de automóvel numa rodovia próxima da cidade de Gualeguaychú, Província de Entre Rios, na mesma curva onde, anos depois, morreu a cantora Gilda.

Por último, é bom lembrar que seu filho Norberto Podestá, seguiu seu caminho e também é cantor de tango, atuando na zona norte do Grande Buenos Aires.