Francisco Alongi

Nome verdadeiro: Alongi, François Henry
Pseudônimo: J. C. Mendozino
Pianista y compositor
(27 dezembro 1889 - 12 março 1970)
Local de nascimento:
Tunez Tunisia
Por
Orlando del Greco

ua identificação com o tango data do tempo daqueles nossos pioneiros na França que foram: Güerino Filipotto, Celestino Ferrer, Víctor Lomuto, Eduardo Arolas, Manuel Pizarro, Luis Cosenza, Mario Melfi, Eduardo Bianco, Bachicha, entre outros.

Precisamente foi o primeiro pianista da Orquesta Típica Bianco-Bachicha quando foi criada, lá por 1925 em Paris; depois integrou a de Eduardo Bianco, a de Bachicha-Ferrazzano, uma das que fora regida pelo citado Pizarro e outras orquestras formadas por argentinos ou simplesmente por europeus que estavam envolvidos no tango, com os quais percorreu Europa.

Compôs vários tangos entre a diversidade de gêneros que visitou; em parceria com Bianco, Behety, Poyales, Ramírez, etc. publicou os titulados “Casita mía”, “Corazón triste”, “Locuras”, “Pobre muñequito”, “Penas de amor [b]”, “Juventud [b]”, “Celos [c]”, “Un consuelo”, “Acordate nomás”, “Trapos viejos”, “Canyenguera”, “Pebeta de mi barrio”, “Ley criolla” e o interpretado por Carlos Gardel: “Pobre Pancho”.

Conheceu Gardel no cabaré El Garrón, no ano de 1928, no qual se apresentava com Pizarro; e outros famosos locais parisienses nos quais interpretava tango, chamavam-se Florida, Palermo, La Michodiére, Washington Palace, Empire, Moulin Rouge, Villa Rosa.

Teve editora própria com a qual ajudou na difusão do tango na França.

Francisco Alongi nasceu na Tunísia, em 27 de dezembro de 1889 e morreu em Cannes (França), em 12 de março de 1970.