Gerónimo Gradito

Nome verdadeiro: Gradito, Gerónimo
Letrista
(5 setembro 1888 - 31 julho 1966)
Local de nascimento:
Buenos Aires Argentina
Por
Orlando del Greco

screveu muitos versos e os espalhou por Buenos Aires através de diversos jornais; anos mais tarde recolheu esses poemas, publicando-os em volumes intitulados Cardos, Violetas Camperas e Bandoneón. Também é obra sua a comédia dramática El rastreador.

Apresentou muitas canções ao consenso popular desde a primeira que teve o título “Escucha mi palomita”, com música em ritmo de zamba de Domingo Losso. Outras: “Madrecita yo me muero”, com Teisseire; “Nunca [b]” (gravada por Ignacio Corsini); “Chonguita” em parceria com Mario Canaro; “El flete [b]”, “Chuzazos”, etc. Mas seu grande sucesso foi “Alma [b]”, com música de Domingo Julio Vivas, e interpretada e gravada por Rosita Quiroga. Junto com Vivas escreveu outros tangos, incluindo “El borracho [b]”, que estreou Carlos Gardel em suas últimas apresentações na Rádio Nacional em 1933.

Sobre o cantor declarou: «Conheci Gardel muitos anos atrás, quando se apresentou pela primeira vez no Teatro Nacional. Nunca tive trato direto com ele, mas meu nome não lhe era desconhecido, por Vivas e pelo tango “Alma [b]” que ele ia gravar!» (Depoimento para este livro, antes de sua morte).

Gradito nasceu em Buenos Aires, em 5 de setembro de 1888 e morreu na mesma cidade, em 31 de julho de 1966.